Ensaios

Poesia

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Sobre Limbos, Arrependimento e Redenção

Não se esmera mais nos tempos
Respostas, questões e outras verborragias
Pautas desconexas ou metas incertas
Eu formo assim meu limbo
O mesmo limbo de uma angustia
Esta que corroí a mente indigente

Tal qual o sofrimento expresso
Chega rápido ao que foi dito
O Raciocínio flui para a certeza da origem
Mas o sofrer persiste a desatinar
Respondendo que nada é tudo
Sou a forja da dor do meu eu

Tenho em mim as perguntas 
seria bom mudar em certa medida
Porém fica a duvida que sai pela tangente
como, quando, porque, para que, o que mudar?
Um passageiro do ato inerte do nada
Receoso demais para com o próprio andar

Vejo nas coisas alguns velhos reflexos
Momentos daquilo onde perdi e não fiz
Utopias que pelos dedos se esvaem
Sentimentos e sensações de aconchego
Passaram aos desígnios da velha lamentação
Mais do mesmo velho amor rabugento

Onde me encontro no presente
É territorio de futuro pantanoso
Onde pouco se fez e muito se naufragou
Já é tarde para dizer o tamanho do que sentia
Este trem da História passou a tempos 
Descarrilou e hoje espero na estação esperança
Que ele passe de novo levando a minha redenção

sábado, 29 de outubro de 2016

Navegação de Incertezas

Uma ruptura acarreta muitos caminhos
Por vezes disperso em escolhas
Forma encruzilhadas em nosso destino
Das possibilidades nenhuma parece ser boa
Vejo tudo agora em completo desalinho

Me escapa do vocabulário qualquer maneira
De expor eficazmente meu atordoamento
Uma cisão deste tamanho segue uma cina
Em uma bela comédia trágica grega
Me tornei o pierrô de riso triste

Sou aquilo que não queria ser
Posto perdido por erros disformes
Incompreensão daquilo que me compreendeu
Na inércia de não fazer e dizer que nutria
Agora aquele porto-seguro já não me pertence
Quiça por motivos de demonstração ausente

A velha angustia adormecida saiu da caverna
Acordada em meio a dores dilacerantes
Navegarei agora como nau a deriva
Rumo indefinido se movendo em círculos
Sem teus braços minha bussola já não tem mais norte
Procurando tolamente o mesmo afeto
Amor perdido em eterno infortúnio 

Revolta De Tempos

Nos tempos longínquos de uma certa vida
Viver era algo certeiro
Tão mais fácil ficar a esmo
O inesperado não existia
Era o aconchego de amar em sossego

Sem birras ou picuinhas
Na terra das grandes feitorias
O cotidiano  das grandes dificuldades
Tinha-se ainda a possibilidade
De resolver a contento suas perplexidades

Eis que este castelo de cartas acaba ruindo
Desmancha entre as mãos como areia
Efêmero como um instante do tempo
Tudo aquilo em que se acreditava
Foi suprimido de sentidos intensos

O ambiente sofre uma reviravolta
Crenças e ideias são modificadas
O medo e angustia são agora moeda corrente
Com elas agora se compra um pouco de tudo
 obediência, progresso e disciplina  pela coerção

No limiar desse tempo impreciso
Haja as vistas o que tenho sentido
Reina um caos da inércia do choque
Pois amor, utopias e outros sonhos
São atitudes de subversivos malditos

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Dos Nadas Relevantes

Destes percalços extremados
Aqui  andam por terra e mar
Pois no ar já se tornou poeira
Aquilo que não se sabe
O dito cujo inconsistente

Esperando retomadas
Das essências de um tempo
Em que coisas eram feitas
Não de forma perfeita e clara
Mas de tudo um pouco fazia sentido

Possibilidade saída de certezas incertas
Advindas daquele sentimento eterno
Que toma e assombra a alma dos apreensivos
É a velha carcomida da ansiedade
Vindo cobrar o quinhão de parte da alma

Não sei o que quero
Não sei o que sou
Ficamos assim
Perguntando enfim
Porque estou assim
Para onde ir
Para onde vou
Desses vários Nadas

No fim das contas inexatas
Se estabelece outra fórmula
Ou talvez brilhante teoria
Do passado maltratado
No presente insustentável
E de futuro invariado


quarta-feira, 13 de julho de 2016

Carta Engarrafada

Aqui as coisas desandam
De vazio em vazio
Vou preenchendo garrafas
Destas com cartas contendo
Jogadas mar adentro
Levando sentimentos a contento

Sentimentos guardados e profusos
De intensidade singular e imensa
Na Mesma medida são confusos
Machucam, incomodam alma e cabeça
Ansiedade presa prende o indeciso
Amar, ser amado ou desprezado

Nas ondas segue carta na garrafa
levada pelas correntezas do mar
Oceano imenso dificulta seu encontro
Mas a esperança de um acaso para o achado
Que liberte e aceite o conteúdo da carta
Aflições, sonhos, dores, amores e  outras fontes




segunda-feira, 13 de junho de 2016

Sendo Ninguém Sentido

Viver sem despertar
Sem nada a esperar
Perspectivas já não tardam
Pois finalmente retardam
sentimentos e outras amenidades
lembranças de outras barbaridades

Ah se fosse apenas a memória
Criadora de flagelos a esta hora
É apenas o dito pelo não dito
Revirar o que passou dando visto
Eis que nas rotas que vou indo
Resultados já não tem mais sentido

Antes fosse mera chateação
Ou  exagero na lamentação
Agora nada traz alivio
viver se torna um suplicio
Na sincronia perfeita
No realismo da ausência

Afinal das contas cobradas
Lembranças são borradas
Alguém ira se importar
da besta humana e seu bem estar
Agora sou o ser invisível
Me tornei um ninguém irreversível


quarta-feira, 27 de abril de 2016

Segundo Os Ditos

De outros fatos existentes
Dos termos incautos para viver
Se forma Coisas e objetivos
Pré-determinados pelo um todo
Não existe escapatória de tal monstro

Obrigações, regulamentações a se seguir
metas, objetivos planos a se conseguir
Ai de nós não seguir este enquadro
Provavelmente assim serás taxado
Naquele condenação de eterno fracassado

O ar nos é tragado de N maneiras
Ar comprimido por pressões
Seja no falsa sensação de alivio familiar
Nos ditames de uma relação de amor
Ou nas considerações de um trabalho
As coisas ficam num plano inconsistente
Onde nunca seremos o suficiente

Agora estamos na era da ansiedade perdida
Cada vez mais com ideias e ideais sendo rasgados
contexto onde direitos são tirados e reduzidos
Obrigações dobradas nos deveres
O prazer antes pecado agora é contravenção

domingo, 28 de fevereiro de 2016

3 Macacos Omissos

  São tantas coisas incongruentes , que a realidade não parece ser um local favorável ou ao menos, que podemos prezar. Vive-se com excessos de pensamentos em que dormir parece ser a unica forma concreta de descanso, o pó do deus do sono nos olhos se torna o único refugio para as dores do mundo. De planos estipulados sobre uma vida profissional ao qual se teme fracassar, passando pela situação nada favorável do que nos rodeia, da sociedade prostrada e ferida economicamente, socialmente, politicamente, culturalmente ,cheia de relativismos sínicos e de nilismos que beiram ao narcisismo romanceado por muitos, engolfada pelas chamas dos dragões da ansiedade e da angustia,  e como muitos, sou incapaz de reagir ou buscar algum sentido para os rumos que tomo e onde estes malditos pés que tenho irão me levar.

  A incapacidade e a omissão poderiam até tornar-se meus sobrenomes e de muitos, como direito a estarem presentes no meu RG, CPF e cartão de crédito, afim de identificar alguém ou algo que vive dando com os burros n'água. De frustração em frustração alcançamos as virtudes de nada ser e nada ter, invisível aos olhos de qualquer um. Do medo do fracasso e dos incômodos de um caminho difícil, ação tomada por este ser que aqui relata isto jamais é tomada. Ficar dentro do próprio casulo divagando sobre como seria, um talvez, estipular inúmeros "e se?" conformam corpo e alma, ao fim de tudo é mais seguro devanear sobre sonhos nunca alcançados do que sair para os desconfortos do mundo real. 

  O belo mundo real, aquele em que você não é percebido por ninguém, ocupados demais cada um com suas atribuladas funções de rotinas, apressados nos passos na rua rumo a afazeres beneficiando na maior parte das vezes o egoismo alheio e o seu, e assim coletivamente somos uma população do paradoxo de egoísmos coletivos. Parece que ao nosso redor os outros são agora imperceptíveis em suas angustias e problemas, aquela perversa conduta de fingir a inexistência do pobre mendigo morador de rua e seu problema social se estende aos colegas, amigos e familiares,somos o exemplo clássico da fabula dos 3 macacos:  não falamos, não escutamos, não enxergamos. Estender ajuda a alguém somente pelo ato da ajuda e de que aquilo fará um bem tanto a quem ajuda e ao ajudado virou uma quimera de poeira jogada ao vento. A ideia da frase "farinha pouca meu pirão primeiro" é agora o décimo primeiro mandamento da humanidade.

  É tanta ausência de emoções e sentimentos no cotidiano que falta muito pouco para adentrarmos na era da sociedade dos androides. para isso talvez nos baste trocar ossos e carnes do corpo por peças de aço, parafusos e ferros, pois nossas ações já estão quase todas programadas como a de um robô ou computador. Temos atos já premeditados para qualquer situação, fazemos os mesmos gestos e trabalhos maquinalmente, não pensamos nem questionamos as ordens, por mais estapafúrdias que sejam. Vamos fazer um brinde então ao sistema desta adorável escala industrial humana, que produz imbecis em série, gerando um belo mercado onde se vende idiotas em liquidação nas lojas do comércio de egos. 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Crença Nova

Talvez tudo que se forme seja aquilo que tememos
Não agimos por vontade própria nestes dias de formalismo moribundo
Somos máquinas coagidas pelo medo a vagar na rotina
Conduzidos pela inércia constante de um cotidiano subserviente
Transformados em produtos hermeticamente encaixados
Organizados em fileiras perfeitas a receber ordens
Buscas de outras coisas que não a si próprio
No eterno retorno da viragem de individuo em numeração
esquecido os passos cambaleantes em meio a multidão
Anestesiados por inúmeras químicas farmacêuticas
Para que sentir afinal de contas sensações estranhas
"Tudo fica pior ao toque de midas das emoções"
Assim Diria aquele ditador do controle remoto
Obedecer, servir e prestar contas a um ente superior
Nesta Maneira convivemos numa subordinação
Regidos aos temores do pecado descrito pelo pastor
Da cobrança  pela família a se tornar alguém
Pelo temor de desemprego nas entrelinhas da fala do chefe
Ao apego do véu das aparências na ostentação de ter e não ser
A Humanidade por fim criou uma nova religião para alienar
Que vem a calhar para que gosta do sádico controle da vontade alheia
O deus a quem todos se prostram e fazem reverencias é o MEDO.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Compulsões de maquinações

Relapsos de uma forma distante
Mas ecos de temores antigos
Voltam Do Passado constante
Um eterno retorno ao limbo

Angustias de proporções
Coisas referentes a chaga interna
Buscando refugio para maquinações
De pensamentos com obsessão incerta

De espelhos com reflexo total
Novamente vivendo com medo
Daquilo que passou afinal
A memória aterroriza a todo tempo

Outros tempos dos ventos
Coisas que por estas vias
Servem então a contento
De aprendizado e suas manias