Ensaios

Poesia

domingo, 19 de outubro de 2014

Coisa nenhuma

Pensando aqui e acolá
Manias que venho a refutar
Sem nexo em seus aspectos
Idas e vindas de um nada
Coisa nenhuma que vislumbro
Metas tolas assimiladas
Nas ideias de mente deturpada
Acometido por grande desatino
Fico por agora confabulando
Que fazer nestes momentos
Em que tudo que penso
É romper esses grilhões
que me acorrentam a vontade
Ficando maravilhado assim
Venerando seu ser
Na calmaria do olhar lunar