Ensaios

Poesia

domingo, 18 de dezembro de 2011

Tormentos e Luta


E Ca estamos, na frente do computador no tupor do devaneio próprio, típico de um domingo tedioso. Vejo que as coisas estão se encaixando, mas as peças ainda estão fora de esquadro, apertadas como parafuso, e faltando as conexões necessárias para formar um belo quebra-cabeça. Ainda temo um pouco o futuro, a ansiedade e o medo do fracasso norteiam ainda alguns pensamentos, o medo de falhar, de ter todos os meus objetivos que tracei indo por água abaixo. O peso e o fardo que dou a mim mesmo é enorme, talvez porque meus sonhos sejam realmente ambiciosos, mas o medo do fracasso sempre é latente, vou remoendo o passado, temendo o futuro e não vivendo o meu presente. O passado me atormenta como um sabre cortando minha alma ao meio, me deixando desesperado com o que passou ter tido um fim que eu não queria, aos poucos tentando viver o que passou mesmo sabendo que acabou ainda me prendo a esse passado de forma involuntária, é mais forte que eu, de fato o passado me aborrece e me entristece de uma forma aterradora e agoniante.
O presente acaba passando em minha frente com isso, acabo por não aproveitar e me acalmar com os momentos atuais, deixando eles simplesmente de lado por achar que o passado sempre foi melhor, por mais dolorido que as lembranças possam ser, ele acaba se refletindo no presente de forma lúcida e impotente, como um muro que obstrui a minha visão perante os fatos atuais e relevantes.
Então o futuro se torna aterrador e nebuloso, com isso a visão pessimista acaba predominando sobre tudo, tendo em si a visão de que o fracasso será inevitável e real, algo que não tenho como fugir, se tornando aos poucos a minha sina perante o destino que me aguarda.
Tento lutar contra isso é difícil, mas ainda consigo ter esperanças de que as coisas vão confluir para algo bom, que devo lutar e não desistir das coisas em que acredito, mostrar que sou capaz de grandes feitos e boas ações, mas as vezes o fardo é pesado e se abater em determinados momentos é natural a qualquer ser humano, para evitar que as atormentações sejam mais forte que você, é necessário ter força de vontade e dedicação, confesso que desistir não é de meu feitio, afinal, a velha frase gaudéria é simplória, mas carrega um grande significado, “não ta morto quem peleia”.

Tempo


As coisas já não são tão importantes como eram a um tempo atrás, o sentimento é o mesmo, mas consigo suportar, mas aos poucos vou levando. Talvez por ser muito sonhador e saudosista, tenho uma grande tendência a melancolia, aquele fardo eterno que carrego dentro de mim, em que vejo meu futuro se tornando algo que eu não quero, tomando meu presente de assalto e me fechando em torno das mais diversas frustrações alimentadas por um eterno amarguismo imensurável, levado a ferro e fogo pela auto-estima rasteira como pasto de gado e uma confiança próxima do numero da minha nota em calculo. Infelizmente ainda não consegui me encontrar, numa plenitude de pensamento que parasse com o ad eternum da melancolia. O que me conforta é que neste mundo dos melancólicos, surgiram gênios como Einstein, Fernando Pessoa, Pablo Neruda emtre outras grandes personalidades. No Fim, a melancolia destes é originado do mesmíssimo motivo que a minha: carregarem um fardo de um sentimento muito forte e de certa forma, puro e definhador, que aos poucos te suga as energias de uma forma surreal e clara. Gostaria realmente de saber o que se passa com as outras pessoas em relação a mim e o que sente ou sentiu, a verdade é que a resposta provavelmente será a mesma retórica do “apenas bons amigos”. Em Suma, seguirei nestes passos do bucolismo melancólico enquanto não apareça novamente um novo wonderwall ao acaso, nem que seja por alguns segundos, o suficiente para escutar um sussurro claro e forte como a palavra é; “eu te amo”

quinta-feira, 23 de junho de 2011

A Dificuldade Do Fim

É absurdamente complicada, tortuosa e delicada a conformação de algo que acabou. Seja ele um jogo perdido, um amor, um relacionamento ou a vida de alguém querido por nós. Em certa medida acaba sendo cruel também, pois afinal, se torna algo que jamais iremos recuperar ver, sentir, apreciar, aproveitar os momentos com o objeto de todo o seu afeto. Determinados fins às vezes são tão incertos e sem motivos fortes ou explicações sensatas que acabam nos desnorteando por completo, acabam por nos colocarem em fragilidade total, em um desequilíbrio psicológico, físico ou (que ocorre na maioria das vezes) emocional. O Sentimento do término é uma daquelas sensações que acarreta uma desolação enorme, um estado de incapacidade tremenda e de culpa total pelo ocorrido.

A incapacidade vai tomando conta dos nossos pensamentos, ações e conclusões. Vamos pouco a pouco, nos tornando reféns desse sentimento, acarretando na perda de capacidade de reação frente ao fim fazendo com que não tenhamos forças no momento para reagir frente ao baque de uma grande perda. Assim, vamos perdendo a tranquilidade, nos tirando qualquer idéia do que fazer frente ao problema. Quando botamos a culpa em si mesmo, ai é que realmente chegamos no pior ponto possível. Tudo que você acabe fazendo, ela vai estar de acompanhando, iremos vasculhar o passado atrás desta culpa, dos erros, de todos os SE possíveis, tornando assim, o passado sendo mais importante que o presente e o futuro.

Por fim, mais difícil que todos estes sentimentos e sensações perpassadas com a perda, o mais difícil é aceitar ela. Como aceitar o fim de algo tão importante para nossas vidas, que acabou se perdendo, é uma tarefa das mais difíceis para o homem enquanto ser emocional (este que é irracional sim). Claro que não conseguiremos esquecer o que passamos, pois o que aconteceu é a nossa história, algo que tivemos e que teve bons e maus momentos, único e indescritível. Devemos trocar o rancor, a mágoa e a tristeza por saudade, maturidade e levarmos isso como uma lição para posteridade. Geralmente o fim é inevitável, mas para tudo tem um tempo de aprendizado, formação e conclusão. A velha frase “de tempo ao tempo" se encaixa como uma luva nessa situação.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

A Cada Dia

Necessito do teu cheiro, da tua voz, do teu riso, do teu olhar. Oras, mas o que eu tenho a oferecer, se não apenas meu calor, meu afeto e meu amor, o que pode eu, apenar um garoto apaixonado, diante de você e de todo o inebriante sentimento que nutro por você. Meu amor por você é como um grande monumento, foi construído aos pouco e com muito cuidado, por mensurar algo imensurável, que deve ser admirado, cuidado e reverenciado devidamente, para não ser destratado, esquecido ou podado, afinal, seria uma afronta deixar algo tão puro e majestoso ruir, quase um crime contra a humanidade.

Não posso evitar duvidar as vezes se realmente mereço o que recebo de volta te tendo do meu lado, ou até mesmo se faço por merecer. De certa forma se torna surreal as vezes o jeito como não precisamos dizer nada as vezes, só de receber teu olhar tão doce e meigo, é mais um motivo para ver que tenho algo por que viver, um motivo para sorrir, mesmo com todas as adversidades e problemas que surgem, e todos as complicações que esta pessoinha aqui tem e pode te trazer.

Surpreende-me mesmo é ver que realmente você me ama, mesmo com todos os meus torpes defeitos e desvios, como a minha grosseria ou mau-humor, pelos meus intermináveis deslizes e desculpas esfarrapadas, ou torcer para o time rival. Na verdade  o que eu quero que você saiba é que talvez você não seja desse mundo, assim como eu, dois seres que acabaram se encontrando pelo destino  mesmo, se trombarem porque estava já traçado no tempo e espaço que em algum determinado dia eu iria te achar no meio de tantos, pois afinal, somos um caso determinado pela força de um sentimento tão forte quanto o tempo irá dizer.

Depois de um longo tempo

estou postando novamente

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Resistencia a Mudanças, Idéias e Indiferença

Mudanças nem sempre são boas, mas são corriqueiras e comuns. Todos temos que nos acostumar com elas, afinal, fazem parte do ciclo natural das coisas, transformações, mutações e evoluções acontecem desde que o universo se formou. Nada é fácil, só que não aceitar as coisas ou ver elas por um lado distorcido e desfocado, tornando algo natural com essa resistência contornos sofríveis e dramáticos. Determinadas coisas são inevitáveis, o que podemos fazer em relação a elas é torna-las mais amenas e evitar um sofrimento prolongado sobre algo que se foi e muitos não deram a mesma mensuração que você, fazendo com que isso tenha tomado um tempo enorme de sua vida e o levando a um turbilhão de pensamentos e emoções distorcidas, surreais e de certa forma, contendo uma letárgica depressão.

Então surge algo que vai tomando forma, contornos e proporções devidas para respondermos melhor as mudanças, ideias. Nem sempre as ideias darão certo, mas elas nos fazem agirmos diante das mudanças, por mais complicadas que sejam. Pensar, estudar a situação e criar ideias que conseguimos encarar as mudanças com mais tranquilidade e força, e com isso criar alternativas para suavizarmos estas passagens de fase. Claro que ter ideias criativas e eficazes para as situações que as mudanças nos trazem e no que acarretam nem sempre são claras e fáceis, mas elas existem e nos tiram do tupor que as mudanças nos deixam temporariamente, sendo assim fundamentais para um processo de revitalização de si mesmo.

Por fim, existe algo que jamais podemos ter frente as mudanças, até para encara-las de frente e que elas não sejam traumáticas, a Indiferença com estas mudanças ou ao que passou durante ela. Tomar o Devido cuidado para não passar para as sensações e situações que passamos as tornando passagens cheia de rancor, magoa e sentimentos negativos que acabamos alimentando brutalmente, totalmente desnecessários para a vida como um todo. Devemos aprender sempre com essas mudanças, afinal, elas ocorrem e temos que tirar lições sobre elas, as avaliando e refletindo porque afinal elas ocorrem, e evitarmos nos culpar por coisas que não estão ao nosso alcance e que viraram um problema que não é mais seu.

domingo, 1 de maio de 2011

O Que Ayrton Senna me Lembra

Hoje faz 17 anos que Ayrton Senna Da Silva faleceu. Eu era muito pequeno quando naquela fatídica manhã de domingo, onde um muro na curva Tamburello fez o Mundo perder o maior gênio do automobilismo, Ayrton Senna da Silva. Uma das poucas coisas que realmente lembro foi a cara de desespero, incredulidade e choque do meu pai ao ver a Willians de Ayrton se espatifar em Imola.Essa mesma cara do meu pai foi repetida em praticamente todos os lares deste Brasil afora.Ayrton era muito mais que um ídolo, representava a esperança do brasileiro, da perseverança do trabalho duro, do desacreditado que acaba crescendo e fazendo o inacreditável na hora mais difícil, como aquela vitória em Interlagos, na chuva e com apenas a sexta marcha funcionando.

Senna era nosso Herói num tempo em que o desemprego era a alto, inflação absurda, e mesmo no futebol, não ganhávamos uma copa sequer fazia 24 anos. Senna era o farol de esperança e fé do brasileiro naqueles dias, fazia um país inteiro acordar domingo de manhã para o ver correr, e no final da sua vitória, levantar aquela bandeira verde-amarela, num misto de raça e genialidade que só ele tinha. Seu carisma inigualável ultrapassa as gerações, eu mesmo não tinha idade para lembrar as suas corridas, mas o sentimento que sinto quando vejo qualquer vídeo dele é indescritível, nem com o futebol me emociono tão fácil, o tema da vitória em meus ouvidos rasgando meu peito, me controlando sempre pra não cair uma lagrima. Senna realmente tinha algo de especial, nem Pelé, Garrincha ou qualquer outro esportista Brasileiro teve o carinho e o amor do nosso povo, ele era diferente, demonstrava como poucos o orgulho de ter nascido neste país, mesmo com todos os nossos problemas, e ele como homem nascido numa família abastada e com uma bela renda, sabia da necessidade de mudança, de dar chances para o seu povo melhorar de vida, e ele sabia que podia reconfortar o povo , elevar nossa moral, por mais simples que aquele gesto de levantar a bandeirinha do Brasil Fosse, ele fazendo isso estava ajudando milhões a encarar o batente.

Não sei como, mas Senna para mim é símbolo de uma face do brasileiro que todos sempre vão admirar, a do vencedor nato, perfeccionista, teimoso, arrogante por vezes, mas acima de tudo, obstinado e obcecado pela Vitória, como Prost, seu eterno rival, falou uma vez quando Ayrton ainda estava na Lótus:” este moleque é um louco, anda com a faca nos dentes como se ainda estivesse na formula Ford”. Até que ele estava certo. Senna mesmo com um carro inferior ao dos adversários, disputava cada curva como se sua vida dependesse disso, para ele o segundo lugar era “Primeiro dos perdedores” e vendo esta frase percebemos o quanto a vitória era vital para ele, era seu objetivo, trazer a vitória para si, o fascínio que ele exerce sobre o povo Brasileiro esta ai. Vencer sempre, lutar e nunca desistir dos seus sonhos, foi a maior lição que Ayrton Senna da Silva nos deixou.

"Se você quer ser bem sucedido, precisa ter dedicação total, buscar seu último limite e dar o melhor de si."
Ayrton Senna Da Silva

sábado, 23 de abril de 2011

Maravilhas Inesperadas

Existem coisas que realmente jamais poderíamos prever. Certas situações que nos pegam completamente desprevenidos, acabam por mexer profundamente com nosso jeito de ver o que nos cerca e você mesmo, alterando nosso mundo de forma extremamente positiva.  São momentos, sensações, emoções, palavras, olhares e é claro, pessoas, as mais surpreendentes dentre todas as surpresas. Chegam absolutamente de supetão, em momentos que jamais pensaríamos que algo tão diferente do que você está passando aconteceria.


A forma com que elas chegam são até de certa forma engraçadas, cheia de desencontros(ou encontros que se tornam desastres) o que pode até nos dar uma impressão errada sobre a pessoa e fazermos avaliações precipitadas sobre a pessoa. Mas aos poucos, vamos conhecendo a fundo essa pessoa, nos fazendo pensar de forma diferente, criando uma perspectiva melhor e mais saudável sobre a vida e  seus longos e tortuosos caminhos, que nunca são fáceis, mas com a chegada dessas pessoas, ele se torna um pouco mais suave de se fazer, com a agradável presença de um ser iluminado, por assim dizer, uma espécie de luz do farol no meio do nevoeiro forte. Com seu jeito, estas pessoas apenas com o olhar nos cativam e nos dão um fio de esperança que até o momento você tinha perdido por uma série de fatores e pensava que tudo jamais voltaria a se estabilizar. Mas elas nos provam com suas atitudes, que por mais complicado que seja a sua fase da vida, existem coisas que vale a pena lutar e viver por elas.

Eu realmente me sinto um cara privilegiado por ter encontrado alguém assim, uma Maravilhosa surpresa em meio a tantas atribulações internas, me devolvendo aquela vontade sobre minhas paixões, trazendo elas de volta, conseguindo passar por cima de crises, paranoias e outros fatores que agora já não fazem mais importância e ficaram no passado. Espero que todos um dia encontrem esse tipo de pessoa inesperada, o seu "wonderwall", pois todos, sem exceção sonhamos com um e quando você encontrar um, não deixe passar, cuide dele, pois é algo único e que ira lhe trazer tantos benefícios, que de certa forma vamos nos ficar perguntando onde ela estava esse tempo todo.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Momentos Anuviados


Em determinados momentos de nossa vida, ficamos sem o controle de determinadas coisas. Seja no trabalho, na faculdade, na vida em geral, e que nos levam ao descontrole físico, emocional, e o mais perigoso, pois acaba afetando os dois anteriores, o psicológico. Ele acaba tomando conta de todo o pensamento, acumulando e alimentando medos, frustações e paranoias, tendo dimensões absurdas sobre o dia-a-dia, levando aos poucos ao pânico e criando um desespero continuo e agudo. Ao ponto de acharmos que nada vai adiantar para melhorarmos, criando uma grande dor de cabeça para si mesmo, nos levando a uma paranoia incontrolável de certa forma.


Não é fácil lidar com isso, afinal, perder o controle dos próprios pensamentos é algo horrível, cruel, trazendo para nossa vida duvidas, problemas e chateações que jamais passaram pela sua cabeça, que acabam aparecendo do nada, chegando de supetão e dominando suas ideias e aspirações os envolvendo num ciclone de duvidas e anseios de tal forma, que acabamos entrando em uma situação que por mais simples e boba pareça para os outros, para você é algo insuportável e tenebroso. Dessa forma, todas as nossas aspirações e sonhos podem ser obstruídas nesse momento, dando a que  impressão que tudo ficou amargo.


O Que Fazer nessas horas amargas e anuviadas? A resposta não é simples, mas devemos tentar ao máximo evitar estes pensamentos, preencher a cabeça com ocupações corriqueiras, algumas obrigações e tentar sempre não guardar magoas e anseios para si, ter alguém em quem confiar um confidente para amenizar essas duvidas e aflições. Amigos, esses são o grande remédio, a conversa, a consideração e o afeto mutuam para com eles são fundamentais para sairmos do buraco que nos mesmos nos botamos. Querendo ou não, não podemos deixar o orgulho interferir nesse momento, e sim deixarmos que nos ajudem e pedir ajuda, pois resolver determinadas coisas sozinhos são complicadas e quase impossíveis, mas ter a noção de que temos um problema e buscar por essa ajuda, são essências para conseguirmos melhorar e contornar a situação.

terça-feira, 8 de março de 2011

The Same Old Fears

Ainda são os velhos medos que atormentam. Os mesmos anseios e aflições parecem que nada muda, apenas mascara algumas coisas, pois nada termina no todo, acaba um resquício sobrando, e não há como fugir disso, por mais que você queira e tente. As coisas acabam virando um turbilhão de emoções, levando aos poucos, uma mente já cansada beirar a insanidade covarde e perturbadora, como se nada mais tivesse sentido, um fim, lutar por algo que valha a pena, que seja real e possível. São coisas que não devíamos remoer, afinal, só piora a situação e fere mais do que uma adaga afiada, como se ela fosse rasgando nossa mente, a alma, o ego, a vida em pedaços, deixando algo estancado ao ponto de ver a sangria correr um pouco mais, como uma forma prazerosa de tortura e sadismo, , é uma sensação absurda e disforma, algo incompreensível e tolo de anseios e sonhos que vão sendo perdidos e deixados para traz, como se tudo não passasse de uma ilusão, algo para realmente nos no botar para baixo ”no nosso devido lugar”, como se tudo isso fosse para admitirmos que não somos bons, apenas alguém medíocre com utopias e ideias vazias ou estapafúrdias.   

Foram as nossas decisões que nos fizeram chegar até aqui e que contribuíram para as coisas chegarem a esse ponto, claro que foram inúmeros fatores que culminaram no que você está passando internamente e na sua forma de pensamento e de como vemos as coisas hoje, mas o principal culpado de tudo se tornar um drama de proporções mentais imensas e de sobrecarregar um fardo e uma pressão que carregamos geralmente é devido a vontade de vencer, de ser alguém bom, querer provar isso, de não ser só mais um, não apenas somar,  ser um multiplicador.

Aos poucos as coisas vão se ajeitando, melhorando, mas é um processo demorado e que leva tempo, o que as vezes incomoda, mas tudo acaba se estabilizando e fluindo de uma forma mais tranquila, só não devemos deixar que os velhos medos se apoderem de nós.

terça-feira, 1 de março de 2011

Deixar Estar

Deixar estar é o que resta, simples assim. Certas coisas não mudam ou demoram a passar, e acabamos procurando um motivo ou o porque das pessoas se manterem no ranço, orgulho ou rancor contigo. São coisas que acabam te minando muito mais do que as palavras, ou até mesmo atitude, pois a falta da mesma demonstra claramente uma indiferença mortal e cruel. É realmente angustiante ser tratado dessa forma porque afinal, tu nunca vai conseguir entender o real motivo de tudo e acaba culpando a si mesmo, sendo um incomodo diario e intermitente. E por mais que você tente, a situação não será resolvida tão de bate-pronto.


Essa incomodação sempre acaba descambando pra outros fatores que acabam te tirando o sono e a tranquilidade. Se torna aquele stress por pouca coisa, aquela desatenção na aula, uma distração tola no trabalho, ou seja, vai formando uma bola de neve de "probleminhas", algo que no fundo, você jamais se incomodaria se não fosse o fato em que a situação o tornou culpado e fez com que nos auto-execramos como o bastardo canalha por ter se exposto de tal forma, que mostrou o quanto voce é vulnerável em relação a outra pessoa.

 para tudo isso, a unica alternativa é o tempo, deixar passar e estar, fazer com que as pessoas esqueçam o quanto se magoaram mutuamente e aprendam a perdoar, ou pedir perdão. Há ocasiões que o orgulho não leva a nada e so traz mais sofrimento a ambos, perdendo uma oportunidade para rever onde houve erros e acertos, por fim a magoas que só os envolvidos sabem. O jeito é esperar e tocar as coisas, esquecer tudo o que passou e deixar que tudo se resolva por conta propria, pois existem coisas que nunca saberemos e que por mais que tentamos entende-las, a situação só piora e tornando as coisas mais turvas e inconsistente.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Macaquinhos no Sotão

Me lembro quando minha antiga neurologista usou essa frase para explicar para mim o porque de eu ser tão agitado e ansioso e do porque de eu tomar o remédio para a imperatividade, o que era uma desculpa formidavel e impressiona qualquer criança de 6 anos. E é exatamente esses macaquinhos  que causam alguns probleminhas mais adiante.

Os macaquinhos são levados e imprevísiveis.Uns com o tempo se tornam agressivos e arredios como uma forma de auto-proteção. Outros se tornam esquecidos, desastrados e com lapsos de memória a fim de esquecer as coisas que o cercam. Alguns se tornam paranoicos e começam a ver coisas onde não existem. E também a aqueles que se tornam depressivos, calados e sofredores.

Os macaquinhos afinal, acabam se tornando por vezes incomodos, mas não se engane, todos tem algum deles em alguma época de vida, porque eles existem, só que você na maioria do tempo ignora a existência dos mesmos.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Pensamentos acerca


Afinal, qual o motivo de estarmos alegres ou tristes?Sentimentais ou indiferentes? Mas a questão central, da origem de todos esses devaneios humanos é o pensamento, do qual não conseguimos controlar as idéias e emoções. Como seres humanos(racionais ou não) somos cheios de falhas de caráter, e ao mesmo tempo, com diversas virtudes.Nosso pensamento talvez venha deste embate, entre falhas e virtudes. Ai está o segredo para compreender as atitudes sociais do ser humano. Ele simplesmente age para evitar o sofrimento, seja dele (na maioria das vezes) ou de quem o cerca.O sofrimento, assim como o prazer, é passageiro, mas os que mais sofrem, são os quem pensam em demasia. Atormentam-se com suas indagações, desde quem amar,  o porquê de sofrer, de fazer, do que pensar, de como agir. Ele acaba passando constantemente por conflitos internos com ele mesmo, pois quanto mais se pensa, mais duvidas surgem e novos questionamentos o afligem. Divagações e mais divagações, e nunca se chega a alguma conclusão. É daí possivelmente que chegamos às chamadas “crises existenciais”. De tanto se pensar, você acaba por perder seu norte às vezes, não sabe por qual motivo deve continuar, fica sem reação e sem saber pra onde correr. Muitos neste caminho, por serem fracos de espírito, acabam receptados por ideologias extremistas, sejam elas religiosas, políticas ou sociais. A resposta para tudo isso, para você contornar as aflições momentâneas de seu pensamento, é simplista, mas é o caminho para se manter no meio é: fazer o que lhe – agrada, Tentar viver para se alegrar e não para se atormentar no sofrimento.O Sofrimento é inevitável, mas ao menos, que no final da balança de sua vida, os momentos de felicidade pendam para o lado da felicidade e da plenitude, e que estes momentos tenham sido vividos com intensidade