Ensaios

Poesia

sábado, 29 de outubro de 2016

Navegação de Incertezas

Uma ruptura acarreta muitos caminhos
Por vezes disperso em escolhas
Forma encruzilhadas em nosso destino
Das possibilidades nenhuma parece ser boa
Vejo tudo agora em completo desalinho

Me escapa do vocabulário qualquer maneira
De expor eficazmente meu atordoamento
Uma cisão deste tamanho segue uma cina
Em uma bela comédia trágica grega
Me tornei o pierrô de riso triste

Sou aquilo que não queria ser
Posto perdido por erros disformes
Incompreensão daquilo que me compreendeu
Na inércia de não fazer e dizer que nutria
Agora aquele porto-seguro já não me pertence
Quiça por motivos de demonstração ausente

A velha angustia adormecida saiu da caverna
Acordada em meio a dores dilacerantes
Navegarei agora como nau a deriva
Rumo indefinido se movendo em círculos
Sem teus braços minha bussola já não tem mais norte
Procurando tolamente o mesmo afeto
Amor perdido em eterno infortúnio 

Revolta De Tempos

Nos tempos longínquos de uma certa vida
Viver era algo certeiro
Tão mais fácil ficar a esmo
O inesperado não existia
Era o aconchego de amar em sossego

Sem birras ou picuinhas
Na terra das grandes feitorias
O cotidiano  das grandes dificuldades
Tinha-se ainda a possibilidade
De resolver a contento suas perplexidades

Eis que este castelo de cartas acaba ruindo
Desmancha entre as mãos como areia
Efêmero como um instante do tempo
Tudo aquilo em que se acreditava
Foi suprimido de sentidos intensos

O ambiente sofre uma reviravolta
Crenças e ideias são modificadas
O medo e angustia são agora moeda corrente
Com elas agora se compra um pouco de tudo
 obediência, progresso e disciplina  pela coerção

No limiar desse tempo impreciso
Haja as vistas o que tenho sentido
Reina um caos da inércia do choque
Pois amor, utopias e outros sonhos
São atitudes de subversivos malditos