Ensaios

Poesia

domingo, 3 de junho de 2012

As Velhas Medidas


Oras nada mais nada menos, é curioso perceber como as coisas sempre se repetem de certa forma e se tornam congruentes em determinado ponto da vida. Basta ver que todos nossos relacionamentos vão ter vários pontos paralelos e similares, o mais espantoso ainda é que são fatos que se repetem inconscientemente sem nos darmos conta que estamos por fazer, praticar e bestificar os mesmos atos falhos.
Tornamos-nos escravos do ciclo destrutivo dos erros perversos do nosso emocional podre e tolo, nos envolvendo numa trama que o final será o mesmo: arrependimento, frustração dor e o velho sentimento de perda irrefutável do objeto de nosso amor louco e irracional. De certa forma somos reféns do ciclo de erros, esses erros não são pontuais, e tão problemáticos para enxergarmos, mas são erros ínfimos, que acabam fazendo se sentir sob efeitos cascata, como bola de neve vai se avolumando e viram uma avalanche sucessiva de cagadas que quando percebemos o relacionamento já esta em ruína e em franca decomposição.
O Sentimento de culpa por isso é um fardo extremamente cansativo de se carregar por estes errinhos, pois por eles serem de pequeno porte, fica claro que poderiam ser tranquilamente evitados, contornados e resolvidos apensas com uma leve mudança de comportamento, de auto-avaliação e de compreensão mutua. Parar pra pensar nisso chega a doer e traz o velho sentimento a tona, querer voltar atrás se torna uma obsessão, mas mascara apenas o fim sem volta, nos deixando apenas a utopia do sonho de que tudo vai voltar a ser como antes, mas infelizmente certas coisas jamais terão uma segunda chance( apesar de que isso vai de pessoa para pessoa, só que as intensas Jamais recuam ou voltam atrás), o orgulho vai sempre falar mais alto nestes casos, por mais que o sentimento seja recíproco, o egoísmo humano não suporta reconhecer o erro e dar o passo atrás.
 Este Impasse acaba se resolvendo apenas de uma forma e é bem óbvia; aprenda com o passado, não tente esquecê-lo, pois assim nunca se aprenderá onde estão as falhas, desvios, erros e virtudes que temos, e que podemos consertar à medida que o tempo flui, se tornando uma etapa de aprendizado extremamente importante no ponto de vista do crescimento emocional próprio. Quem esquece o passado jamais vai entender os motivos para que o presente esteja da forma que é.



“esquecer o que passou não é libertador, é negar sua existência e caminho que se trilhou, que por mais funesto que foi ele é seu e o que te trouxe até estes confins”

Nenhum comentário:

Postar um comentário