Ensaios

Poesia

domingo, 28 de fevereiro de 2016

3 Macacos Omissos

  São tantas coisas incongruentes , que a realidade não parece ser um local favorável ou ao menos, que podemos prezar. Vive-se com excessos de pensamentos em que dormir parece ser a unica forma concreta de descanso, o pó do deus do sono nos olhos se torna o único refugio para as dores do mundo. De planos estipulados sobre uma vida profissional ao qual se teme fracassar, passando pela situação nada favorável do que nos rodeia, da sociedade prostrada e ferida economicamente, socialmente, politicamente, culturalmente ,cheia de relativismos sínicos e de nilismos que beiram ao narcisismo romanceado por muitos, engolfada pelas chamas dos dragões da ansiedade e da angustia,  e como muitos, sou incapaz de reagir ou buscar algum sentido para os rumos que tomo e onde estes malditos pés que tenho irão me levar.

  A incapacidade e a omissão poderiam até tornar-se meus sobrenomes e de muitos, como direito a estarem presentes no meu RG, CPF e cartão de crédito, afim de identificar alguém ou algo que vive dando com os burros n'água. De frustração em frustração alcançamos as virtudes de nada ser e nada ter, invisível aos olhos de qualquer um. Do medo do fracasso e dos incômodos de um caminho difícil, ação tomada por este ser que aqui relata isto jamais é tomada. Ficar dentro do próprio casulo divagando sobre como seria, um talvez, estipular inúmeros "e se?" conformam corpo e alma, ao fim de tudo é mais seguro devanear sobre sonhos nunca alcançados do que sair para os desconfortos do mundo real. 

  O belo mundo real, aquele em que você não é percebido por ninguém, ocupados demais cada um com suas atribuladas funções de rotinas, apressados nos passos na rua rumo a afazeres beneficiando na maior parte das vezes o egoismo alheio e o seu, e assim coletivamente somos uma população do paradoxo de egoísmos coletivos. Parece que ao nosso redor os outros são agora imperceptíveis em suas angustias e problemas, aquela perversa conduta de fingir a inexistência do pobre mendigo morador de rua e seu problema social se estende aos colegas, amigos e familiares,somos o exemplo clássico da fabula dos 3 macacos:  não falamos, não escutamos, não enxergamos. Estender ajuda a alguém somente pelo ato da ajuda e de que aquilo fará um bem tanto a quem ajuda e ao ajudado virou uma quimera de poeira jogada ao vento. A ideia da frase "farinha pouca meu pirão primeiro" é agora o décimo primeiro mandamento da humanidade.

  É tanta ausência de emoções e sentimentos no cotidiano que falta muito pouco para adentrarmos na era da sociedade dos androides. para isso talvez nos baste trocar ossos e carnes do corpo por peças de aço, parafusos e ferros, pois nossas ações já estão quase todas programadas como a de um robô ou computador. Temos atos já premeditados para qualquer situação, fazemos os mesmos gestos e trabalhos maquinalmente, não pensamos nem questionamos as ordens, por mais estapafúrdias que sejam. Vamos fazer um brinde então ao sistema desta adorável escala industrial humana, que produz imbecis em série, gerando um belo mercado onde se vende idiotas em liquidação nas lojas do comércio de egos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário