Ensaios

Poesia

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Instrumento de ser

Tormentas das coisas de si mesmo
De buscar e ficar a volta repetitiva
Nos complexos de um sofrimento
Realidade num campo instrumental
Que sou que fui que serei
Nem ao mesmo rota de colisão
Tenho algum perspectiva
Nas mudanças de tolo aspirador
Final deste tempo e espaço
Sou o que penso ser
Sou o que pensam eu ser
Sou o que não sou ou serei
Mas não sou o nada nem o tudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário