Ensaios

Poesia

sábado, 9 de fevereiro de 2013

E A Culpa



Entre todos os sentimentos, o de culpa sem duvida nenhuma, está entre os mais corrosivos e causadores de conflitos internos pessoais. Ele acomete-nos de um remorso tal que acaba gerando extensas preocupações em série, formando uma truncada cadeia de problemas, lamentações, frustrações e colossais decepções consigo mesmo, pelas ações que tomamos. Os atos que protagonizamos estão no centro do sentimento de culpa, o motivo principal por ele vir à tona.

Geralmente, a culpa se apresenta porque as ações contradizem nossas ideias aos quais teoricamente, temos como norte existencial. Vamos fazendo então, o jogo da frase “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”, em que criamos uma contradição paradoxal entre o que somos e o que queremos ser, consistindo num conflito ético extremamente pesaroso.

Outra grande sensação de culpa se deve a falta de capacidade própria ou inércia em determinadas situações. Não ter ou não poder reagir de maneira eficaz quando certas questões e aflições nos são impostas, viram um fardo pesado em nosso psicológico, afetando diretamente os alicerces emocionais aos quais estamos amparados. Um choque destes é de fato uma incomodação tão evidente que cria inúmeras consequências negativas na rotina, sendo o desespero e a desolação muito clara e as que mais deixamos transparecer.

Começa então a busca por respostas sobre a culpa que nos tomou, procuramos as causas para os acontecimentos e desfechos, pelas ações contraditórias que tivemos, com resultados trágicos e consequentemente decepcionantes em nosso entendimento, não nos conformamos nem compreendemos a principio de onde veio esta sensação de culpa.

A partir do momento em que temos noção da causa da culpa e do remorso ser de nós mesmos, entra em jogo algo extremamente extenuante, burocrático e de difícil conclusão, perdoar a si mesmo. Ser misericordioso consigo é das mais árduas tarefas, pois a cobrança pessoal tende a ser muito maior, pois somos rigorosos e esperamos mais de si na maioria dos casos, resultados melhores, buscando e desejando sempre a própria perfeição na execução das ações.

Nisso se reside a chave para se almejar um melhor entendimento da culpa, buscar o auto perdão e assim, pacificar-se internamente e fazer a sua parte, pois nunca teremos controle total sobre atos e concepções alheias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário