Ensaios

Poesia

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Uma Nova Epopéia



Vou vivendo sobre um questionamento, em que as formas de relacionamento deste com minhas ideias acerca de tudo que prezo acabam entrando em atrito. Sentimentos acabam-se chocando invariavelmente com meus pensamentos sobre certas formas de agir para com os outros e condutas “éticas” por assim dizer, neste conflito entre razão e emoção extremamente desgastante e de difícil escolha, pois de certa forma, aparentemente nenhum dos caminhos escolhidos irá trazer a plenitude para mim ao todo, no desenrolar final desta epopeia.

É difícil dizer como isso foi tomando forma, surpreendentemente fui o deixando crescer sutilmente, numa espécie de conta gotas, foi vagarosamente preenchendo uma lacuna que estava exposta, admiravelmente você conseguiu se acoplar perfeitamente neste local, tal como uma peça de lego se encaixa simetricamente a outra. O espanto que tive quando dei por mim que sua presença foi se conectando e ocupando este vazio por muito tempo me tirava o sossego e causava tanto desgaste interior, que pegar-me pensando na sua face virou rotina sempre, ao botar minha cabeça no travesseiro para o repouso diário.

Confesso que, mesmo sendo desconfortável e incorreto, é um prazer extremamente suave e acalentador te ter povoando meus pensamentos, me distraindo os pensamentos e sendo um porto seguro de certas complicações diárias que me acometem rotineiramente, torne-te por excelência, a minha terapia ao qual busco anestesiar todo o incomodo de ficar no mais do mesmo do ciclo viciante do dia a dia monótono, e vou então me apegando aos pensamentos sobre nós, alienando os infortúnios e construindo uma redoma de proteção do resto do mundo e seus conflitos.

De qualquer forma, a sensação de estar sendo incorreto é cada vez mais insignificante perante tudo o que está ocorrendo sobre o que cerca a situação no seu todo. A principio não vejo como um sentimento afetuoso possa ser tão destrutivo neste momento, embora seja claro, que num primeiro momento possa gerar algumas rusgas um tanto quanto difíceis de lidar perante a uma gama de relações internas e externas, seja de caráter emocional ou psicológico, possa superada pela dimensão do sentimento que posso estar começando a criar sobre nós, praticamente não restando duvida que nada mais possa ser tão importante quanto a nossa junção em torno dele.

Enfim, vamos desenrolando este principio de afetividade delicadamente aconchegante e aquecido com toques de sutilidade, envolvendo aos poucos cada êxtase apropriado, deixar as coisas subentendidas como quem não ser quer apressar os fatos, pois sinto que piso num terreno acidentado, e percebo pelo pouco que sei sobre você e suas concepções, que estou lidando com uma alma tão atribulada quanto a minha, e necessitada de sossego e de um bem querer protetor, no mais claro dos devaneios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário