Ensaios

Poesia

terça-feira, 15 de abril de 2014

Tento no tempo

Sempre na mesma toada
Relógio reflexo da aflição
De maneira fugaz e escrachada
Passos dados percorrendo indecisão

Estrutura permanente ao longo da era
Conspirando a margem do poder
A ansiedade permeia sem trégua
Vontades inconscientes de meu ser

Sou agente da história do meu destino
Em termos de tempo sem ideologia
Nas horas em que navegar é preciso
Meu viver é digno de um indeciso

Nenhum comentário:

Postar um comentário