Ensaios

Poesia

sábado, 1 de junho de 2013

Saudoso Viver



Há muito tempo perdida nas memórias de um passado recente, a história que havia sido escrita era uma lembrança esquecida graças às forças maiores das constantes reciclagens e encerramentos de ciclos. Eram tantas tramas intrincadas que perdeu a noção e a magnitude da origem de todas suas vontades, anseios, desejos, sonhos. Pelo caminho acabou perdendo o elo com algo ao qual foi o ponto crucial para moldar seu pensamento, o modo de como enxergava as coisas e acima de tudo, o transbordou de um caráter em acabar crendo piamente na plenitude dos afetos.

Passou por tantos contornos e transtornos nos idos das experiências próprias naquela velha consumação da concepção humana, sobre a opulência de certos ardores e amores, foi singularmente ocultando determinadas narrativas, fazendo um paradoxo excêntrico entre a analogia de botar estas num meio termo de caixa de pandora e baú do tesouro.  Por mais que o conteúdo da caixa-baú fosse de magnânima força e importância vitalícia, estes dados foram sobrepujados pela ordem e cronologia concreta do tempo, o senhor de todos os fatos. Não esqueceu os acontecimentos simplesmente por não querer mais relembrar dos viveres de outrora, mas isso consistiu por ter optado em romancear novas e possíveis nuances de semelhante intensidade.

Neste falhar dos sentidos pela busca do norte interno, que consomem o espírito humano sempre ao entrar nas velhas divagações sobre a razão nada exata de si e dos outros, a velha sensação do déjà vu lhe ocorreu. Impactante assim como as mais marcantes saudades, estava naquele momento acometido pela sensação de finalmente ter percebido a real dimensão daquele saudoso e inicial momento de despertar os sentidos e emoções. Surpreendido de certa forma pelo esquecimento da origem nas próprias maquinações, uma saudade nada melancólica, mas sim contente, foi apoderando-se completamente da sua vontade.

Juntando estes pontos, delineou os caminhos percorridos desde o começo nos emaranhados nada subjetivos desta dimensão de irracionalidade branda e violenta racionalidade. Clareou completamente as ideias sobre si mesmo ao notar a importância do passado, viveu nas antigas escrituras um desenrolar que marcou e determinou as consequências do que se tornou a partir daquele momento. Aquele curto espaço de tempo moldou totalmente seus passos, suas características, trouxe a tona toda uma gama de virtudes e defeitos, forças esmagadoras e fraquezas massacrantes, traços seus que o senhor de todas as coisas os aplacasse, extinguisse ou ressaltasse com o decorrer das eras.

Com isso, pode conceber outras perspectivas sobre a noção do desenrolar dos fatos já acontecidos, e de suas consequências para desenrolar do presente e de um provável futuro. Nesse revisionismo histórico, nenhum lado era vilão ou mocinho, advogado ou juiz, escuro ou claro, somente eram o que sentiam e faziam verbos, inseridos em prosa e poesia num mundo onde cada qual tem seus motivos e aspirações para algo que o acalente da melhor maneira, satisfazendo suas necessidades humanas insanas. A ela deve de certa forma, uma gratidão profunda e sincera, sua criatividade e intensidade foram derivadas do encontro entre uma vista cansada e a sua suave face revigoradora destas ideologias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário