Ensaios

Poesia

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Questionamentos georgeanos



Parece que finalmente George chegou a um determinado ponto sem volta, numa encruzilhada crônica por ele protagonizada. Tinha sido posto na parede pela sua característica bundamolice, que ficara evidente em seus atos, ações e movimentos, tão entediantes e demorados quanto a barra de loading de algum game (seria praticamente como aguardar o carregamento do Warcraft num PC com processador velho e fraco, só dor de cabeça) e George conseguia ser mais tapado que isso em certas situações.

- Não gosto de fazer as coisas por obrigação ou dever, isso me traz a sensação de estar me tornando uma espécie de Tony Stark estagiário, é claro sem a armadura do homem de ferro, o dinheiro e a namorada daora- Desabafava o apalermado rapaz.

 De fato, estar na pele de um herói estagiário deve ser mais indigesto que seu computador travar enquanto está sendo atacado por uma poderosa magia no LOL. Sentindo-se pressionado ultimamente por N causas e questionamentos peculiares a sua singular pessoa, ficava confuso. Não compreendia o cansaço sentido por pensar demais em certos assuntos, com exceção é claro de suas ideias vanguardistas sobre cultura:

- Zé Sarney como imortal na academia brasileira de letras, e tem gente achando que o maior problema da literatura é 50 tons de cinza-Ou ainda seu discurso radical frente ao cenário musical: - Tirar onda de Camaro amarelo é fácil, quero ver causar com um Chevette ano 87 cor verde-musgo, escutando no toca-fitas Marcelo Camelo ou Maria Gádu.

 Realmente acreditava ser um ser incompreendido, sua perspicácia intelectual desperdiçada pela sociedade contemporânea.- Não  admirar os pensamentos construtivos que tenho é a mesmíssima coisa que atender chamadas de call-center, perda de tempo e vida. Entendo Woody Allen, estou numa situação similar, extremamente inteligente e apreciador das boas coisas da vida, mas a lucidez intelectual me deprime com a estupidez humana.

 Ai então George sai correndo apavorado para a cozinha, enquanto estava divagando jogando uma partida 
online de DOTA, o rapaz acabou esquecendo o miojo no fogo, não lembrou que a água fervia em 3 minutos, e matar um ORC às vezes leva muito mais tempo que isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário