Ensaios

Poesia

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Simples George de coração

 O cotidiano e todas as informações do que acontece ao nosso redor com o mundo a qual pertencemos na maioria das vezes são relatos de problemas que a principio não nos envolvem diretamente ou atinga-nos profundamente no amago de nosso ser individualista e por vezes mesquinho.Desta feita ,geralmente George não foge a esta regra comportamental dos humanos em ler nos jornais e sites, ou ver nos noticiários as causas e motivos das desgraças dos povos, resignando-se a apenas formar alguma ideia de senso comum ou tecer comentário como se o pensamento que tivesse fosse resolver todos os conflitos do planeta água afora.

- Talvez teríamos uma gama muito menor de rusgas e conflitos violentos entre nos homens, se resolvêssemos nossas divergências jogando uma partida de PES ou uma luta no play de Street Fighter-. Divagava George tentando fazer o que a ONU e os governos nunca conseguem, solucionar problemas essenciais com medidas simples.

 O Ingenuo George acreditava na sua inocência idílica de leitor das grandes epopeias de fantasia, que isto era possível, pois ainda nos jogos de poder das histórias que tinha prazer em ler, os lados da moeda eram bem definidos: o bem e o mal , as trevas e a luz, herói e vilão, todos estes de fácil diferenciação tanto na ficção quanto na realidade. Doce ilusão de ávido leitor dos contos do Rei Arthur e de o Hobbit, nosso protagonista demorou a perceber, no alto de toda sua magnânima intelectualidade de gênio incompreendido pela sociedade contemporânea, que o mundo real é mais parecido com Westeros de Game Of  Thrones do que com a Terra Média de Senhor dos Anéis( Hobbits e elfos não existem, mas anões bêbados e pervertidos, além de traições dentro da própria família são comuns atualmente).

- Sinceramente, nestes acontecimentos de meu tempo reduzido de existência e insignificante importância perante a continuidade do cosmos e do universo, talvez somos meros corpos formados de poeira das estrelas cobrindo vácuo, um nada. Embora possamos vir a ser um nada mesmo e não temer a morte, só não quero presenciar a minha, pois deve doer tanto quanto um chute no meu órgão reprodutor.- Assim boy George formava seu pensamento, pouco corriqueiro entre seus iguais.

 E os ponteiros seguem a girar sobre a alma atormentada de sonhador deste rapaz com comportamento fora de série e do sério. São as retóricas e os eventos que está presenciando que podem levar o pobre ao surto e desilusão com o que ele tem por conhecimento das diferenças entre o bem e o mal, pois está vendo que o que tentam lhe passar no noticiário como Bem, espanca com cassetete e encarcera numa cela o mal, que protestava por não ter condições de vida minimas para sobreviver.


Nenhum comentário:

Postar um comentário