Ensaios

Poesia

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Devaneio

De certo devaneio inadequado                                                                      
Busco aplacar aflição concreta
Tentando não pisar tolamente em falso                                                                                     
Sofro nessa dicotomia fria de frouxa reza

Sonhar com passado não deveria ser possível
Mas em jogos de azar ao qual me submeto                                                                                          
Padeço de um mal oculto estranhamente sensível
Na sua lembrança indiferente que assim me esqueço

Tolamente me alegro no saudosismo bucólico
Nas memórias do elo emaranhado no tempo
Encontro uma fusão perdida de mentes e corpos
Só que isso foi em outra era levada pelo vento

Via de mão dupla acidentada
Atormento-me por nesta causa
A possibilidade fica num limbo do impossível
Meu afeto a ti se restringe ao incompreensível

Nenhum comentário:

Postar um comentário