Ensaios

Poesia

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Tardando os sonhos




Observando impacientemente as hélices do ventilador no teto, George tentava pregar os olhos num sono profundo, para amenizar o excesso de ideias sobre as voltas das mesmíssimas dores de parto costumeiras. Perdia horas durante o dia pensando em antigos arrependimentos e pecados não perdoados, sejam estes seus ou de terceiros que o envolviam é claro, pois como primata primitivo nutria certo rancor e magoa sobre certas pessoas tão confusas e instáveis quanto à situação da Palestina.

 - Padeço assombrado por esses espectros desgraçados do passado, e agora estou aqui suando feito um condenado, tomado pela insônia e agonia do remorso. Gostaria de Ser Marty Mcfly e ir de Volta para o futuro-. Assim confessava o angustiado George seu desejo de controlar o tempo para consertar erros e ações de consequências desastrosas.

 Sentia que correntes com pesadas bolas de ferro estavam presas em seus pés, o impedindo de prosseguir no cotidiano e tocar as coisas a sua maneira. Numa espécie de causa quase que perdida de ares e tons de semi-utopia, planos e tentativas de solução de suas chagas e do mundo quer resolver, embora seja duvidoso resolver algo desta maneira consumindo tempo  na insônia e nos jogos de culpa da própria cabeça.

 Perdido (assim como seu sono) de fato estava às sensações sobre os pontos de divergência entre sua história almejada e a concreta. Desejava dormir não para descansar a mente das atribulações vividas, mas sim para reviver nos sonhos o que jamais teve no plano da realidade. No mundo dos sonhos teria finalmente alcançado o ideal de amores atemporais e viscerais.

 - Meus sonhos são a Minha Matrix, neles por fim sou o herói dos contos inacabados e eterna esperança das melhoras do mundo. Neles sempre sou o que jamais serei.

  Mas ainda havia a questão do sono que tardava a vir. Angustiado com isso, foi tomado pela ansiedade imperativa, destas de tal feita que causassem os aborrecimentos tradicionais de uma irritação sobre tudo e nada. Mas eis que George começa a sorrir, pois acaba se lembrando da solução dos seus problemas e pensando com seus botões porque havia demorado tanto para chegar a essa conclusão, como pode ter esquecido que para visitar seus sonhos lhe bastavam apenas 3 gotas do néctar dos deuses: Clonazepam, ou Rivotril para os íntimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário